Bwin.Party Candidata-se a Licença de Jogo Online em Nevada

  • Duarte Cunha-RealDuarte Cunha-Real
bwin.party

Depois de quase seis anos ausente do mercado americano, a familiar da PartyPoker, bwin.party, submeteu o pedido para regressar. De acordo com o Cardplayer, a bwin.party fez candidatura oficial para a obtenção da licença de jogo online à Comissão de Controlo de Jogo do Nevada, adicionando o seu nome a uma longa lista de interessados no espaço online, antecipando a legalização do mesmo.

Depois da Unlawful Internet Gaming Enforcement Act (UIGEA) ter sido aprovada no dia 29 de Setembro 2006, a PartyGaming suspendeu todo o seu negócio de jogo a dinheiro real com os clientes americanos e abandonou o mercado. Três anos mais tarde, a PartyGaming assinou um acordo com o Departamento de Justiça Americano, entregando $105 milhões por oferecer jogo online antes da UIGEA ter sido aprovada, o que permitiu à empresa não ser processada por outras actividades relacionadas com o mercado americano.

A PartyGaming fundiu com a bwin no passado Abril e seis meses mais tarde a empresa fez-se parceira da MGM Resorts International e da Boyd Gaming, numa jogada de antecipação da legalização do jogo online. Como parte da join venture, a bwin.party deterá 65% da empresa por fornecer e manter o software das empresas supracitadas.

MGM detém 25% e a Boyd 10% e tanto a MGM como a Boyd já submeteram candidaturas para operadores de poker online.

PartyPoker já foi a sala nº1 em território americano antes de retirar as operações dos EUA e o CEO da Bwin.Party, Jim Ryan, disse à PokerNews no mês passado que apesar da junção da bwin.party/MGM/Boyd não conseguir agarrar 50% da quota de mercado que a PartyPoker um dia teve (pré-UIGEA), irá ter uma boa parte de mercado num espaço altamente competitivo.

A PokerNews falou com a bwin.party na Quinta mas o porta-voz da empresa não fez qualquer comentário.

Fica a saber todas as notícias através do Twitter e do Facebook para informações actualizadas ao minuto.

*Fotografia cortesia da PokerScout.com.

Mais notícias

O que pensas?