Agora ao vivo Unibet Open Bucharest

Hipnotismo no Poker – Parte 3

Hipnotismo no Poker – Parte 3 0001

Ok, resultou. Não da maneira que esperava, mas algo está diferente, no bom sentido.

Esperava que a hipnose me tornasse numa espécie de máquina robot de observação de poker; talvez me tornasse num computador humano que pudesse memorizar todas as apostas feitas na minha mesa e que em poucos instantes calculasse o que os meus oponentes tinham. Mas não aconteceu; de qualquer maneira ia ser maçador.

Em primeiro lugar, tive uma semana bem rentável. Tive uma média de ganhos de 1 buy in em todas as sessões em que participei, o hipnotismo ajudou? Penso que sim. Qualquer forma de terapia alternativa provoca o efeito, que é, quando esperamos que qualquer coisa resulte, isto pode influenciar positivamente, se o faz ou não, depende.

Mas no entanto sou mais observador, tenho prestado mais atenção às mãos dos meus oponentes do que às minhas. Tenho prestado mais atenção a coisas como a minha imagem na mesa, e o estado emocional dos outros jogadores. Penso mais no que os meus oponentes estarão a pensar de mim e de como espero conseguir tirar-lhes dinheiro.

Isto não quer dizer que seja um jogador perfeito, ainda cometo erros e tenho algumas falhas de concentração. A maior parte do meu lucro tem vindo de mãos em que parto de trás e tenho sorte, mãos em que nem devia jogar. Ainda bem que a hipnose quer dizer que sou suficientemente observador para perceber como estas mãos influenciam as mãos futuras em que participo e posso mudar o meu estilo de acordo.

Talvez a diferença mais notável sejam as mãos em que desisto quando jogo na Internet e a possibilidade de me recordar de como uma certa mão foi jogada. Nada de robótico, apenas disciplina pensadora.

A grande diferença tem sido nos jogos ao vivo. No momento em que me sento na mesa estou confiante e concentrado. Os casinos são muitas vezes lugares que intimidam (especialmente aqueles que vou) e normalmente mantenho a boca fechada e apenas jogo. Agora já falo mais e também já sou um pouco mais atrevido. Não tanto como Tony G ou Mike Matusow, apenas preparado para uma batalha verbal caso necessário.

O meu jogo ao vivo tem sido sem erros, tanto em cash games como em torneios. Esta semana joguei um pouco alto e um torneio com um grande buy-in e não cometi erros.

Infelizmente uma das mesas cometeu um erro. Vê, não importa que seja o melhor em hipnotismo, ou de que a sessão tenha sido a melhor. No poker não consegue se defender de um jogador que pensa que fazer call com A-10 seja uma boa ideia.

A última coisa que o hipnotismo fez por mim foi fazer com que eu aceite com um sorriso que as minhas Q-Q sejam batidas. É óbvio que fico fulo quando um idiota nos faz perder €300 e nos manda para casa com apenas uma limonada oferecida pelo casino, mas não entrei em tilt (ao contrário de um jogador que derramou uma chávena de chá na mesa numa jogada anterior), e foi para casa e escreveu algo na Internet sobre o sucedido.

Aconselharia o uso da hipnose a quem esteja a pensar fazê-lo. Não me tornou num melhor jogador; mas conseguiu manter-me num estado mental em que jogo o meu melhor poker, ajudou a manter-me na "zona". Penso que irei a outra sessão no futuro, especialmente se a minha forma se mantiver.

PS. Se pensa que é boa ideia fazer call a Q-Q quando tem A-10, talvez seja a altura indicada para marcar uma sessão de hipnotismo.

Nota Ed: Faça o download da GNUF POKER, a nova sala do pt.pokernews.com

Mais notícias

O que pensas?