Agora ao vivo Unibet Open Bucharest

Os segredos das Races, como ser ganhador por Tomé tcmoreira Moreira

tomé moreira

Já há 3 meses que não escrevo aqui no meu blog. Há razões para isso, algumas pessoais, outras nem tanto. Um dos motivos principais tem a ver com o título deste post. A última race em que participei terminou no final da semana passada e precisei de um tempo para descansar e digerir todo o stress. Agora é tempo de retomar o blog e vou aproveitar a experiência adquirida recentemente para voltar à escrita.

Como a maioria já deverá saber, a Betfair abandonou o seu software próprio e criou uma “skin” integrando a rede ongame. Como é hábito nestas situações, a Betfair levou a cabo uma série de promoções, entre elas algumas races. Pois bem, aproveitando a oportunidade, desde que vim do WSOP – altura do último post – decidi participar em 3: uma de 60 mil dólares (rake race), 30 mil (de SNGs) e 120 mil (rake race). Vou já explicar em que consistem estas competições e, já agora, antes que mo perguntem, fiquei em 3º, 4º e 6º respectivamente. O meu novo nick é tcmgaby na rede ongame, e dispenso considerações acerca do mesmo :) . O problema é que já usava o anterior noutra casa da rede e isto foi o que surgiu.

O que é uma race? Que tipos de races existem?

Como o próprio nome indica, é uma corrida. Todas as corridas têm um período de tempo definido, nos casos das races em que participei, variaram entre as 2 e 3 semanas). E, como tipicamente acontece nas corridas, os melhores são premiados, existindo uma tabela de pagamentos para cada um dos lugares premiáveis. A título de exemplo, eis a tabela da última race que fiz:

Position Prize
1 $20,000
2 $15,000
3 $11,000
4 $8,000
5 $6,000
6 $5,000
7 $4,000
8 $3,500
9 $3,000
10 $2,650
11 $2,300
12 $2,100
13 $1,900
14 $1,700
15 $1,500
16 $1,300
17 $1,100
18 $950
19 $800
20 $700
21 – 30 $600
31 – 40 $500
41 – 50 $400
51 – 60 $350
61 – 70 $300
71 – 80 $250
81 – 90 $200
91 – 100 $150
Total: $120,000

Existem vários tipos de corridas, mas neste post, vou explicar apenas os 2 tipos em que participei:

- rake races: nestas corridas, ganha quem gerar mais rake, ou seja, comissão para a casa durante o período em vigor da race.

- SNG races: neste caso, são atribuídos pontos a cada posição premiada de cada SNG (Sit and Go), ganha quem possuir o maior somatório de pontos à data do final da race.

As races são para todos?

Apesar de toda a gente poder participar, a resposta é não. Desaconselho vivamente a participação em races para jogadores com pouca experiência. Participar numa race e ter uma expectativa aceitavelmente interessante, pressupõe o conhecimento e a preparação para uma série de factores. O sucesso de uma race advém do produto do rake gerado pelo número de jogos/mãos da modalidade que se pratica. Normalmente, os ganhadores de races são jogadores de cash limite (cada vez menos, devido ao crescente desinteresse pela modalidade) ou de “SNGs turbo” de buyins consideráveis. Exemplificando, nesta última race, o top 3 eram jogadores de SNGs HU de 100$ – 500$. Este tipo de jogos têm a vantagem de demorar pouco e terem rakes bastante grandes. Há também casos de jogadores que jogam mesmo muito cash NL e conseguem bons resultados.

O que preciso de saber antes de decidir participar numa race

Antes de iniciarmos uma race, é fundamental enquadrarmos a nossa expectativa na tabela de pagamentos. No meu caso, esta última race, coincidiu com o EPT de Londres e isso implicava menos 4 ou 5 dias de disponibilidade para jogar, o que, em 21 dias de uma race que se espera densa e feroz, é bastante. Ainda assim decidi jogar e apontei para um eventual 6º lugar, que se veio a verificar. Isto significa que não é necessário apontarmos sempre para os melhores lugares da race. Como em tudo na vida, precisamos de ser realistas e saber qual é o nosso lugar numa competição. Conquistar metas pré-definidas, vai-nos preparar para novos desafios, gradualmente mais ambiciosos.

Preparar uma race significa:

- tomar conhecimento prévio da nossa disponibilidade

- definir a nossa modalidade e antecipar a nossa geração de rake

- garantirmos a banca necessária para levarmos a cabo os nossos pressupostos

- conhecer o field contra o qual estamos a competir

Desta forma, conseguimos estimar com a assertividade possível, a nossa eventual posição final. Esta estimativa pode ainda ser complementada, observando os pontos gerados nas races recentes pelos jogadores.

Inconvenientes e riscos

Nos meus estudos de preparação para a race, decidi jogar menos “cash” e passar para os SNGs. Apesar de me considerar à vontade em SNGs, não deixou de ser um risco, uma vez que se tratou de uma mudança. Podem também existir surpresas e as coisas nem sempre acontecem com prevemos.

Para ilustrar, vou dar como exemplo da minha SNG race. Neste caso, as coisas correram mal. Estimei os pontos necessários para ganhar a race da seguinte forma: média dos pontos nas últimas 2 races + 20%. No final da race, acabaria por terminar com 15% a mais da tal média e isso deu apenas para 4º lugar. Pelos vistos, não fui o único a ver uma oportunidade naquela race e a competição foi de loucos. Para piorar as coisas, a adesão à race foi tão grande que o nível de jogo aumentou imenso. Os sits de 22$ (preferidos na race) tinham a qualidade de sits high stakes e era frequente encontrar o top10 da race numa mesa full handed. Resultado, toda a gente baixou o ROI imenso, o que se traduziu em perda de dinheiro (ilíquido de prémios e rakeback). Isto não significa que fiquemos mais pobres e passo a explicar…

Ganhar dinheiro perdendo

As races dão dinheiro extra LOGO as races são procuradas por bons jogadores LOGO numa race existem vários bons jogadores LOGO é inevitável jogar contra eles LOGO o nível de jogo geral nas nossas mesas aumenta.

É ainda verdade que para conseguir resultados numa race é preciso muita dedicação e muito multi-tabling LOGO o nosso nível de concentração desce LOGO o nosso nível de jogo diminui.

A qualidade aumenta e nós jogamos pior. Agora enquadremos isto num cenário de sits (os tais que compensam nas races) que cobram 10% de rake. Bem, com esta concorrência toda, é seguro assumir que ninguém cobre 10% de ROI (retorno sobre investimento), ou seja, o nosso gráfico no sharkscope tá condenado à nascença. Mas isso não significa necessariamente prejuízo.

Vou exemplificar com o maior grinder de sits da Betfair. Apresento-vos “A”. “A” jogou 46 mil jogos no software antigo da Betfair em 2 anos, jogando sits de 50$ a 500$, com “av. stake” próximo de 90$. Segundo o sharkscope, “A” perdeu 91 mil dólares o que fez dele motivo de gozo nas mesas. Assisti várias vezes a chacotas sempre com o mesmo bobo, o nosso “A”: não tens vergonha de seres tão perdedor?; como é que ainda tens dinheiro?; és assim tão viciado que não consegues parar?; Como consegues jogar tanto, perdendo sempre?; etc… “A” nunca responde a ninguém.

O que essas pessoas não sabem é que gostariam de ganhar o que “A” ganha. Na realidade, “A” é um “prop player” da Betfair que tem 65% de rakeback, fora outros benefícios. Fazendo umas conta muito rápidas, sabemos que:

- “A” gera, em média, pelo menos 8$ de rake por jogo. Logo “A” gerou 46000 x 8$ = 368.000$ de rake. De rakeback recebeu 368k$ x 65% = 239.200$

- “A” ganhava, sem grandes dificuldades, quase todas as leaderboards semanais e ainda as races. Eu tive acesso ao histórico destas enquanto o antigo software vigorava e estimo que tenha recebido à volta de 170.000$

- Contabilizando, os resultados líquidos de “A” durante estes 2 anos; 239k + 170k -91k = 318 mil dólares, ou seja, mais de 13 mil mensais. Bom salário, não?

- Resumindo, não contabilizando outros benefícios como a participação em vários torneios live, entre outros, “A” é até muito ganhador, apesar de o seu ROI no sharkscope ser -3%.

Para evitar confusões, eu não sou “A”. Mas gostaria… :D

No meu caso, apanhei 3 downswings bastante vincadas durante estas races, que eu até não considero normais, mas os prémios e rakeback acabaram por compensar bastante. Deste exemplo, sai também a conclusão de que é muito importante possuir um bom acordo de rakeback, uma vez que se geram milhares.

Psicologicamente falando…

…as races são muito desgastantes. Acabei de referir que tive 3 downswings, ora estas downswings são praticamente inevitáveis uma vez que jogamos imenso. Depois, é obrigatório disciplinarmo-nos a jogar muito, mesmo quando as coisas correm mal e a nossa sanidade mental pode levar uns abanões. Para exponenciar este efeito, os SNGs turbos são férteis em situações que nos deixam à beira de um ataque de nervos e é preciso muito controlo emocional para superar tudo isto. Por tudo isto, as races podem ser bastante lucrativas, mas não é uma forma fácil de ganhar dinheiro.

Tomé tcmoreira Moreira jogador profissional da Betfair Poker

Mais notícias

jogadores relacionados

O que pensas?