Agora ao vivo Unibet Open Bucharest

Quando Não Deve Fazer Raise

Quando Não Deve Fazer Raise 0001

Como iniciante nestas coisas do poker, uma das coisas fundamentais que deve aprender primeiro é: se tiver uma boa mão, e se sentir que a sua mão é a melhor da mesa, faça raise. Este é um dos princípios básicos deste jogo, contudo, à medida que se vá desenvolvendo como jogador vai ver que existem várias situações em que se deve ir contra este princípio. O exemplo com o qual ilustraremos este princípio é bastante interessante; se compreender bem o conceito poderá ver que até os high rollers podem cometer um erro grave.

Em qualquer exemplo que veja, deve certificar-se que 3 das 4 condições que passarei a enumerar são cumpridas Se estiverem a ser cumpridas o melhor é ter calma e fazer apenas call.

1) Tem uma boa mão mas acha que fazendo raise o seu adversário vai-se aperceber disso e jogar fora a maior parte das mãos que você tem batidas.
2) É provável que devido à textura da board e à força das apostas do seu adversário que a sua mão esteja batida. Se fizer raise pode estar a criar uma armadilha a si mesmo e poderá perder todas as suas fichas.
3) Você e o seu adversário estão bastante deep (stacks grandes), neste cenário um raise poderá envolver 15-20% da stack e o seu adversário poderá foldar se achar que está batido. Por ventura, se ele tiver uma das mãos que o batem, você poderá perder todas as suas fichas.
4) O grande perigo de decidir não fazer raise é dar uma free card ao adversário, fazendo apenas call pode fazer com que o seu adversário melhore um draw de borla. Numa situação ideal você sentiria mais facilmente se o seu adversário tivesse uma mão feita do que um draw, dando apenas call passa a ideia de que ele o tem mesmo batido.

As condições 1 e 2 são as que mais deve ter em conta sempre que se debater com uma situação de raise/não raise – quantas mãos é que você pode bater e e lhe vão dar call e quantas mãos é que o podem bater (e obviamente lhe vão dar calll!). Se existirem mais mãos perigosas do que " boas" deverá usar uma aproximação mais ponderada à situação.

O "disfarce" do flat-call

É claro que existem outros factores que favorecem o flat call, fazendo call em vez de raise o seu adversário vai abrir muito mais o range de mãos em que o põe e pode levá-lo a apostar com o intuito de fazer uma value bet no river com uma mão marginal. Esta é uma oportunidade que você lhe nega ao fazer raise no turn, contudo tenha cuidado com estas armadilhas, elas devem ser uma das opções e nunca todo o nosso jogo; no geral, jogar de forma agressiva evita que os adversários vejam cartas à borla, daí que seja um estilo ganhador.

Exemplo

O exemplo que ilustra este principio vem do programa High Stakes Poker. Vi-me forçado a concordar com o comentário de Gabe Kaplan quando este disse que era perigoso o raise que Guy Laliberte estava a fazer neste grande pote.

Laliberte tinha {10-Clubs}{9-Diamonds} e em conjunto com Sammy Farha fez call a uma bet de Barry Greenstein no flop {q-Diamonds}{9-Spades}{8-Hearts}, Greenstein estava à frente com {a-Hearts}{q-Hearts}. A recompensa chegou no turn quando apareceu um {9-Clubs}, dando-lhe trio. Greenstein volta a apostar, Farha (que estava a bluffar com J-7, representando uma mão do tipo da de Laliberte) faz um grande raise .

As stacks eram bem perigosas; com $80,000 no pote todos tinham stacks superiores a $400,000 e um raise de Laliberte podia custar-lhe todo esse dinheiro caso Farha tivesse mesmo a mão que estava a representar. Podemos fazer um "visto" na condição 3 e anteriores.

Porque não raisar?

O turn foi uma carta muito boa para Laliberte – muito provavelmente estaria atrás na mão e tomou a dianteira no turn, porque não fazer raise? A mão de Guy acabou de entrar no range das mãos fortes, e para sua sorte está no fundo daquele que seria o seu range; qualquer jogador que tivesse um 9 teria provavelmente um kicker que o bateria, e claro que existe a possibilidade de alguém ter um straigh ou full house, olhando para as condições 1 e 2, vemos que estão soberanamente preenchidas.

Existem mãos que podem preocupar Laliberte mas o seu raise vai permitir que todas as mãos que não estejam nesse range se afastem do pote. Um raise nesta situação não tem muito valor, fazer raise a um check-raise num pote a 3 é uma jogada super forte, avisaria os adversários e não daria valor nenhum à mão de Laliberte. Nesta situação o raise só permitiu que Farha desistisse do seu bluf.

Poderá dar uma free card?

Nunca é possível eliminar o medo que se sente ao dar uma free card, mas na situação em causa Laliberte até teve sorte, o turn foi rainbow impedindo que o seu trio seja batido por um flush.

O "trio seguro"

A mão que Laliberte tem é aquilo a que se pode chamar um "trio seguro". Ambas as cartas que podem aparecer para o straight são boas para ele, o valete dar-lhe-ia o straight e o dez o full house. Na verdade o dez seria ouro para Guy visto que Farha faria straight com o seu J-7.

Este tipo de segurança é dada numa board 8664 se tivermos 76 na mão ou numa board JJT9 se na mão tivermos KJ. A flexibilidade normalmente dada por uma mão de Omaha diz-nos que um call vai trazer mais acção à mesa que um raise.

A condição 4 está quase inteiramente satisfeita, o único risco que existe é que caso Greenstein fique na mão, no river apareça uma Q. No entanto estes dois outs não são suficientes para não querermos Greenstein no pote até ao river.

O seu erro podia ter-lhe custado bem mais, se você se encontrar numa situação em que o seu trio pode estar atrás, opte por dar apenas call abrandando a acção.

Mais notícias

O que pensas?