Psiquiatra do Poker: Efeito Borboleta

Psiquiatra do Poker: Efeito Borboleta 0001

A psicologia, pelo menos em parte, é uma forma de nos ensinar como ultrapassar as dificuldades da vida. Existem muitas maneiras de lidar com os problemas da vida, uma bastante efectiva é a perspectiva que damos às coisas. Saber "localizar" o problema e "arrumá-lo" no sítio certo é uma das formas de o resolver.

O efeito borboleta serve como metáfora para uma vida caótica, incontrolável, imprevisível, e sugere que pequenos acontecimentos podem ter efeitos muito vastos na nossa vida. O exemplo mais conhecido é o de uma borboleta que enquanto batia as asas no Japão estava a provocar um furacão nos Estados Unidos uma semana depois.

Qual é a ideia?

Pequenas mudanças num determinado local podem provocar grandes mudanças num outro lugar. Aqui vai um exemplo concreto no poker. Já vai longo o Dia 1 de um grande torneio e você está prestes a fazer re-raise com o seu JJ quando a big stack se antecipa e vai all in numa posição antes da sua. Você acaba por foldar e vê 99 nas mãos da big stack que elimina um jogador com AK. Aquele pote era seu, mas entretanto ouviu dizer que aquele jogador já tinha feito o mesmo outras vezes com AA e nessas situações eliminou 2 jogadores, um com QQ e outro com KK, construindo assim a stack que possui agora. Ele estava a ter sorte e agora você tinha de o aturar à sua direita a raisar todos os potes.

Não é a forma como ele está a jogar que o irrita, é o facto de ele ter tido tantas vezes ases e com isso ter construído aquela stack. Os ases são as borboletas; o furacão é o facto de ele estar sentado na sua mesa agora. Calma. Lembra-se de todos os shorts que eliminou para construir a sua stack? Eles também são resultado do efeito borboleta.

Aqui está a minha ferramenta para recuperar de bad beats, usando de forma aleatória a caótica linguagem do efeito borboleta. Chamo-a "688/687". Acabou de ganhar um torneio com 688 jogadores no Bellagio, está a tirar uma foto e as notas estão a ser contadas. Nesta situação não precisa de apoio psicológico – parabéns. Agora imagine que está a passar pela final table e vê ser entregue o mesmo prémio a um jogador que o eliminou do torneio há umas horas atrás e vê que o torneio só teve 687 participantes, a diferença está entre ganhar ou perder para 687 ou 688 jogadores.

O último jogador a entrar num torneio altera todo o torneio, as cartas são dadas de forma diferente na sua primeira mesa pois tem um jogador a mais. As mesas são mais rapidamente desfeitas, os jogadores são mudados de mesa por outra ordem e o donkey que não lhe deu fichas no torneio "687" está sentado numa mesa diferente. Já no torneio "688", você tem muitas fichas e poderia sobreviver a bad beat conseguindo ainda assim ganhar o torneio.

Não, não estou a dizer que tudo é aleatório e que só interessa ter sorte numa mesa de poker. No entanto digo que existem mãos a serem jogadas noutras mesas que influenciam a maneira como você irá jogar mais tarde.

Você sabe que todos rimos quando um donk absoluto chega a uma final table como chip leader e nos esquecemos que foram jogadores como ele que nos deram as fichas necessárias para ali estarmos a tentar "matar" o donk.

Qual é a ideia?

Existem acontecimentos aleatórios distantes da sua mesa que você não pode controlar, e têm tanta influência no vencedor como você próprio. Assim, quando levar uma bad beat ou apanhar um cold deck horrível o melhor que tem de fazer é sair da mesa e pensar em 2 coisas:

Primeiro: "72 off vai ganhar a AA 12% das vezes".

Segundo: "Existem muitas borboletas no Japão."

Mais notícias

O que pensas?