O Outro Lado do Pano, Vol. 8: Gratificações em Torneios

O Outro Lado do Pano, Vol. 8: Gratificações em Torneios 0001

Este assunto é particularmente difícil de escrever, mas acho que é um assunto que merece alguma discussão. Eu gosto de pensar que a minha reputação cresceu baseada na integridade, e que o dinheiro nunca foi o factor mais importante na minha carreira. Também sei que as pessoas que trabalham para mim são das melhores nesta indústria e merecem ser bem pagas pelo orgulho que levam para o trabalho.

Na maior parte dos grandes torneios hoje em dia, uma percentagem é retirada, e a maior parte dos jogadores aceitam que essas gratificações estejam garantidas desde que lhes seja prestado um bom serviço. Ocasionalmente, no entanto, o sistema não funciona. Alguns jogadores deixam gratificações sem saber que esse dinheiro já foi retirado do prémio final. Outras vezes, os jogadores não deixam nada, com a convicção que esse dinheiro já está entregue, sem que realmente seja o caso. Em qualquer dos casos, a questão é a quem deve ser atribuída a responsabilidade. No momento, o sistema actual não está bem e são necessárias medidas para resolver este problema.

O WSOP de 2001 foi o primeiro torneio que me lembro onde as gratificações foram retiradas do prémio final de forma obrigatória, e enquanto muitos profissionais se queixavam, passou a ser normal ser retirado 3% do prémio final dos torneios. O problema acontece quando em alguns torneios é aplicada a regra e noutros não. Se combinarmos isto com alguma falta de conhecimento dos jogadores, acabamos por ter um grande problema. A maioria dos profissionais com quem falei agora preferem que seja retirada uma percentagem do prémio para que não tenham de se preocupar com o assunto no final do torneio quando deveriam estar a celebrar.

Dirigi recentemente um evento no Bay 101 em San José, Califórnia. O WPT Shooting Stars com entrada de $10,000 acolhida pelo proprietário do casino Marko Trapani. É sempre um grande evento e uma das paragens preferidas dos jogadores profissionais que fazem o circuito, além dos fãs. No entanto, cometi um erro que causou alguns problemas. Quer dizer, foi mais por algo que não fiz, do que pelo aquilo que fiz.

No que respeita aos dealers, prejudiquei-os ao não receberem as chorudas gratificações que normalmente recebem, já que eu ou o meu staff, provavelmente não fomos muito claros com os vencedores relativamente a esta situação no Bay 101. Coloquei alguns numa situação embaraçosa porque não sabiam que os 3% não tinham sido retirados do prémio. Pensando alguns jogadores que a percentagem já tinha sido retirada, alguns dos vencedores não deram gratificação e saíram do casino com o prémio.

Lamentavelmente, um dos jogadores foi apontado e ridicularizado por ser sovina num fórum publico. Esta situação não foi boa para ninguém, e certamente não foi justa para o jogador em causa. Quando o boato apareceu nos fóruns da Internet, tanto o jogador como o staff juntaram-se e as acusações começaram. Frases como "Que se lixem os dealers!" e "Os casinos fazem tanto dinheiro que lhes podem pagar" eram comuns, e eu estava numa posição em que tinha de defender o torneio e o staff, que sinto que são os melhores do circuito WPT. Num momento de insanidade, cheguei a fazer um post, onde expressava a minha dúvida relativamente ao conhecimento do jogador sobre a política de gratificações do torneio, e foi um erro que cometi. Acredito que deve ser o jogador a decidir dar ou não dar gratificações em torneios, e os jogadores continuam a merecer um evento de primeira classe independentemente da sua decisão.

Nos torneios grandes, é da minha responsabilidade como director do torneio, estabelecer ligação entre os jogadores, organização, dealers, imprensa, e até com produtores televisivos e a linha é muito fina para que tudo corra bem. Uma coisa que os jogadores devem entender, é que os torneios não dão lucro, e que o lucro advém dos jogos a dinheiro, das máquinas, da comida e do alojamento quando necessário. É também verdade que os gestores dos casinos, na sua maioria, não entende que os torneios são a melhor forma de publicitar as suas salas, e que os jogadores não estariam lá se não fosse o próprio torneio. Eu entendo que os custos dos jogadores do circuito são elevados, com viagens, alojamento, entradas nos torneios e gorjetas (obrigatórias ou não) e já disse muitas vezes que tenho muito respeito por eles e pela sua profissão.

De facto, ninguém consegue ler a mente de um jogador e saber o que ele está a pensar. Considerando que nenhuma informação foi dada pelo staff do torneio, como é que alguém não ficaria confuso? Eu aceito a culpa por estes erros e tentarei evitar os mesmos com as sugestões que se seguem.

Acho que todos os jogadores têm o direito de saber quando foram, ou não foram retiradas gratificações do prémio total. Informação completa e transparente é o objectivo. Planeio propor aos membros da Associação de Directores de Torneios que criem procedimentos que possam ser uniformemente usados pelos seus membros.

Uma mudança que devia ser feita é a de todo o material promocional e folhas com a estrutura do torneio, passassem a incluir o tipo de politica de gratificações aplicada no torneio. Também irei sugerir que as quantias exactas estejam incluídas. O problema é que a maioria desse material já inclui essa informação quando as gratificações são retiradas do prémio, mas não incluem quando não acontece. Era importante colocar a informação completa sempre que possível.

Também creio que quando os jogadores entram no dinheiro, o Director do Torneio devia anunciar aos restantes algo deste tipo: "Parabéns por terem chegado ao dinheiro. Todos devem saber que um X% do prémio foi retirado para gratificar dealers e staff do torneio. Obrigado." Sempre que possível também considero que algo deste tipo era aconselhável, "Não foi retirado nenhum dinheiro do prémio final para gratificação dos dealers e staff. Se desejar deixar gratificação, será deveras apreciado". Sem confusões aqui.

Também não acredito que seja apropriado pedir gratificações aos jogadores quando já foi retirado 3% do prémio. Por isso, sugiro que nenhum Director de Torneio faça algum comentário ambíguo que possa causar confusões. Se os jogadores decidirem deixar algum dinheiro extra do que já foi retirado obviamente é apreciado, mas nunca devem sentir tal obrigação nem devem ouvir comentários negativos se tal não acontecer. Já despedi alguns dealers por esse motivo.

A verdade é que, sempre me senti desconfortável por pedir gratificações e não sou muito bom a fazê-lo. Os jogadores merecem ter toda a informação. Eu falhei por completo no evento Shooting Stars e peço aqui desculpas a todos. Sempre que os jogadores receberem informação precisa e completa relativamente ás gratificações, estarão numa posição mais correcta de tomarem a sua decisão. Apesar de tudo, gratificar é uma posição pessoal.

Encontramo-nos na mesa final!

Matt


Matt Savage é um dos directores de torneio mais reconhecido mundialmente, e já esteve envolvido em mais de 350 eventos televisionados, incluindo as WSOP, o WPT, e muitos outros. Matt é um dos fundadores da Associação de Directores de Torneio, o primeiro a ser induzido no Poker Managers Hall Of Fame, e actor no filme Lucky You. Se tens algumas questões sobre algumas regras, por favor envia-as para AskTheBoard@PokerTDA.com ou então procura no website de Matt SavageTournaments.com

Mais notícias

O que pensas?