European Poker Tour – Londres Dia 1 A

European Poker Tour – Londres Dia 1 A 0001

O Vic em Londres está a abarrotar numa Quinta-feira à noite uma vez que metade dos 400 jogadores que esgotaram a etapa de Londres deste ano do European Poker Tour, apinharam a sala destinada a este Dia 1 A.

Acabadinhos de jogar em Barcelona, onde um casino completamente cheio viu Phil Ivey chegar perto do título, mas a cair às mãos de Bjor-Erik Glenne, o EPT fez a sua segunda paragem em outras tantas semanas.

Depois de estar em Las Vegas e ver mais de 200 mesas de poker na mesma sala e jogadores até a vista não poder alcançar mais, é interessante ver um torneio em que as suas 20 mesas têm de estar espalhadas por três salas. As mesas foram espremidas nas três salas e não deixaram muito espaço para a imprensa (ou mesmo para as empregadas de balcão) se movimentar. Acrescente a isto o facto das pessoas poderem fumar nas salas adjacentes do casino (e parece que todos estavam a tirar partido disto), e aí tem um quarto compacto em fumo. Embora façam um fantástico torneio aqui no Vic, para um rapaz da Califórnia que está habituado a grandes espaços e a ar puro, este é um lugar interessante para trabalhar.

O jogador que parece não se deixar afectar é Phil Ivey. Phil surpreendou toda a gente a semana passada (incluindo os organizadores do torneio) por aparecer em Barcelona, e volta para mais do mesmo esta semana em Londres. Juntamente com Phil Ivey no Dia 1 A, encontramos Kenna James, Ram Vaswani, Victor Ramdin, Dave Colclough, Jihnny Lodden, Harry Demetriu, Campeão de Barcelona,Bjorn-Erik Glenne, Jeffrey Lisandro, Isabelle Mercier, Luca Pagano, David Plastik, outros que tais.

O jogo começou por volta das 3pm, hora local, e lá fomos nós. A mesa 11 começou a chamar a atenção, onde os lugares 3,4,5 estavam ocupados por Ram Vaswani, Kenna James, e Dave Colclough respectivamente. Não nos surpreendeu nada o facto de um destes três jogadores ter saído prematuramente, dado o carácter agressivo dos três, sendo que a rifa coube a Kenna James, que foi dos primeiros a abandonar o torneio.

A velocidade não foi a mesma de outros torneios do EPT que temos assistido, e por altura do jantar apenas tinham sido eliminados poucos jogadores. David Plastik, Dave Cloclough e Harry D bateram à sola muito cedo, e o campeão de Barcelona, Bjorn-Erik, nem teve tempo de aquecer a cadeira.

Alguns jogadores deram um grande salto muito cedo e tentaram ficar com essas fichas acumuladas. Victor Ramdin tinha cerca de 40,000 fichas, quando a média era de 13,000. Johnny Lodden disparou muito cedo para as 25,000 fichas, e passou o resto do dia a massacrar os seus companheiros de mesa, ao mesmo tempo que relaxava a ouvir a música que tinha no seu ipod.

O dia de Phil Ivey foi muito similar ao que teve em Barcelona. Aguentou-se o dia todo, fazendo poker por 2 vezes, conseguindo manter as suas fichas numa zona de conforto, sem correr grandes riscos.

Fez-se luz quando num momento Isabele Mercier fez a vida negra a Luca Pagano, deixando-o com apenas 2,500 fichas quando tinha em sua posse mais de 30,000, mas com algum charme. Mas o Luca não estava a gostar nada da brincadeira, e até podíamos ver sair vapor das suas orelhas. Isabelle deixou-o fumegar durante 2 ou 3 mãos e depois levantou-se e deu-lhe beijos e abraços.

A velocidade aumentou de ritmo nos níveis médios, e os jogadores iam caindo a uma velocidade furiosa, e no início do último nível, estávamos com cerca de 70 jogadores.

Quase no final da noite, Johnny Lodden ganhou um gigantesco pot dando-lhe a liderança, ou perto dela, em fichas.

Chegados aos 60 jogadores, e partindo do principio que amanhã jogaremos à mesma velocidade, penso que os cerca de 120 jogadores que começarem o Dia 2 chegarão aos 8 da mesa final muito mais facilmente do que em Espanha.

Tal como já aprendemos, só teremos a contagem de fichas de manhã. Por isso colocarei assim que as tiver.

Vemo-nos amanhã.

Nota Ed: A POKER STARS é que está a organizar o EPT. Ganhe o seu lugar num dos muitos satélites para a etapa de Dublin.

Mais notícias

O que pensas?