Compreender o 'Gap Concept'

Compreender o 'Gap Concept' 0001

O 'Gap Concept' é um dos conceitos introduzidos pelo reconhecido autor David Sklansky. O 'Gap' descreve a diferença do valor da mão de um jogador que faz raise, comparado com um jogador que faz call a esse raise. O Gap Concept é especialmente útil durante as fases mais avançadas de um torneio.

O Gap Concept é um princípio geral bastante importante e que tem que o compreender se quer ter sucesso como jogador de torneios. Este conceito foi introduzido por David Sklansky no seu livro Tournament Poker for Advanced Players. O conceito basicamente implica que um jogador precisa de ter uma mão melhor para fazer call a um raise do que para abrir o pote em primeiro lugar. O gap, é portanto a diferença entre a força da mão com que um jogador vai fazer call a um raise e a força da mão com que esse mesmo jogador abrirá um pote com um raise.

O tamanho do gap vai depender do estilo de jogo do nosso adversário. O conceito assume que o jogador que faz o raise inicial tem um range de mãos que lhe permite fazer esse movimento. Quanto mais tight for a imagem desse jogador, mais restrito será o range de mãos e maior será o gap entre o valor da mão do raiser inicial e a mão do jogador que está a ponderar o call. Se por outro lado estiver perante um jogador muito loose, pode até nem ter gap nenhum. Este conceito é usado com muita frequência em torneios, especialmente quando as blinds estão muito altas em relação à sua stack.

Sklansky desenvolveu um sistema para jogadores principiantes em torneios No Limit:

1. Se algum jogador fizer raise na sua frente, vá all-in com Ases, Reis ou A-K suited. Se não tiver nehuma destas mãos, então faça fold.

2. Se a acção chegar em fold até si, vá all-in com qualquer par, A-x suited, A-K (suited ou não suited) e suited connectors, com excepção de 2-3 e 3-4.

Fazer push na opção 2, significa que vai all-in com cerca de 13% de todas as mãos possíveis. No entanto, ambas as opções necessitam de ajustes no caso das blinds estarem muito altas em relação ao tamanho da sua stack. Este sistema mostra claramente como funciona o gap concept. Vai fazer call com uma range muito restrita de mãos e push com uma range de mãos muito mais alargada.

Em torneios, muito raramente vai querer confrontos com jogadores que demonstraram força, mas vai querer explorar a fraqueza daqueles jogadores que tentam sobreviver com uma stack pequena. Um dos pontos importante nas fases mais avançadas dos torneios, é que um jogador não deve fazer raise com determinada mão no caso de um re-raise significar o muck automático dessa mão.

Exemplos

Os all-ins são muito frequentes nos torneios, mas Sklansky usa exemplos de situações muito específicas. "Está num torneio, sentado na big blind. Tem fichas suficientes para fazer call a um pequeno raise. Todos foldam até à small blind, que faz um mini-raise sem ver as cartas. Você vê as suas cartas e tem 3-2o. Vai fazer call? Sim! 3-2o tem 32% de hipóteses de vencer contra uma mão aleatória e o pote oferece-lhe odds de 3:1 para o call."

Aqui fica um exemplo de como aplicar o gap concept com uma mão marginal do tipo K9s. Imagine que recebe esta mão em middle ou late position. Se um jogador com uma stack consideravelmente grande fizer raise na sua frente, normalmente indica que esse jogador tem uma mão relativamente forte. Um raise em early position parece muito mais forte do que um raise em late position, porque este jogador sabe que ainda faltam muitos jogadores falarem e que se levar call vai jogar a mão sem posição. A range de mãos deste jogador estará provavelmente entre AJ+ e 99+. Estas mãos são favoritas em relação ao seu K9s, por isso deve simplesmente foldar a sua mão nesta situação. No entanto se nenhum jogador até si fez raise ou limp, pode perfeitamente fazer o push. Não tem muitos jogadores a falar depois de si e vamos usar o gap concept em nossa vantagem. Ases fracos, pares pequenos e até mesmo AJ podem foldar contra o seu all-in.

AKo é com certeza uma mão muito forte em No Limit e muitas vezes vemos push all-in ou call a um all-in com esta mão. Ir all-in pré-flop é muitas vezes uma boa forma de jogar a mão. No entanto é muito melhor ir all-in, do que dar call a um all-in com esta mão. Contra um par aleatório você será ligeiramente underdog e contra qualquer outra mão aleatória será favorito cerca de 2:1. Se puxar all-in, muitas destas mãos vão fazer fold e no caso de levar call, vai muitas vezes estar contra uma range de mãos entre 88+ e Broadway cards (quaisquer cartas usadas num Ace-high straight).

Range de Mãos

Como mencionado anteriormente, a range de mãos com que vai fazer o push contra um jogador loose-aggressive é muito mais pequena do contra um jogador passivo. Contra um jogador passivo pode fazer o push com todas as mãos destacadas a amarelo na tabela abaixo. Aqui o gap é muito grande. È muito pouco provável que um jogador passivo vá fazer call com uma mão do tipo J8s. No entanto, tenha sempre presente o facto de que precisa de uma stack relativamente grande para que os seus adversários façam fold. Se um jogador apenas precisar de fazer call de mais uma BB, qualquer jogador fará o call com qualquer mão.

Contra um jogador agressivo a range de mãos será menor. Aqui pode fazer o push com A9+, qualquer par e KJ+. O gap é muito mais pequeno nesta situação, portanto terá de jogar melhores mãos.

O oposto aplica-se no caso do call. Contra um jogador passivo, só pode dar call com uma range de mãos muito restrita, enquanto que contra um jogador loose-aggressive a range de mãos vai ser muito mais alargada. Como pode ver é muito importante que identifique o estilo de jogo dos seus oponentes.

Pelo facto de muitos jogadores não compreenderem o gap concept, você pode dar call a muitas tentativas de 'roubo' quando sentado na big blind com mãos marginais. Dar call com mãos do tipo K3o ou A2o é muito mais fácil do que com suited connectors baixos.

Compreender o 'Gap Concept' 101

Esta é uma análise muito estática do tipo de mãos que deve jogar. Fornece-lhe a ideia do tipo de mãos jogáveis contra um tipo específico de jogador, dependendo do estilo do seu oponente. Não é considerado o seu próprio estilo, a dinâmica da mesa, o tamanho das stacks, etc.

Pontos principais

O Gap Concept tem que ver com posição, tipo de jogador (loose ou agressive, por exemplo) contra o qual está a jogar, a sua própria imagem na mesa, stack média, o tamanho da sua stack em relação à dos seus adversários, nível de blinds, número de jogadores na mesa, estrutura de prémios e mais. Aqui fica uma lista dos pontos principais que normalmente funcionam:

1. Quanto mais próximo o raiser estiver da posição UTG, maior o gap. Você assume que um raise em early position significa uma mão forte e que os raises em late position são, muitas vezes, tentativas de 'roubo'.

2. Quanto mais tight for o raiser, maior será o gap.

3. Quanto mais perto estiver do raiser inicial, maior será o gap. Se ele estiver na posição UTG e você UTG+1, terá de usar um gap maior do que usaria se estivesse no botão e todos tivessem foldado até si.

4. Quanto maior for a diferença entre o tamanho da sua stack e da stack do seu oponente, maior será o gap. A sua permanência no torneio estará em risco quando fizer o call, como tal quer ter a certea de que vai ganhar.

5. Quanto menos jogadores estiverem na mesa, menos será o gap. Se estiver sentado numa mesa com 6 jogadores, vão existir menos jogadores com boas mãos do que numa mesa com 10 jogadores.

Este é sem dúvida um conceito importante para quem quer jogar torneios de forma lucrativa. Terá de aplicar este conceito se quiser sobreviver nas fases mais avançadas dos torneios. Não pode estar sempre à espera que venham os Ases ou Reis.

Aqui fica um pequeno vídeo onde Phil Gordon explica, brevemente, o Gap Concept mais uma vez.

Mais notícias

O que pensas?