Big Blind vs. Small Blind

Big Blind vs. Small Blind 0001

A Big Blind (BB) é a posição menos rentável para jogar em cash games, no long run. Embora se tenha vantagem pré-flop por ser o último a jogar, é forçado a pagar uma blind e estará fora de posição no resto da mão. Como muitos de vós devem saber, a posição é um dos factores mais importantes no poker. Sem compreender a importância da posição, e como tirar vantagem da mesma, você nunca será um jogador de poker completo.

Só existe uma situação em que você se encontra em posição na big blind, se toda a mesa foldar e jogar apenas contra a small blind. Esta é uma situação em que poucos jogadores sabem como tirar vantagem, o que me motivou para escrever este artigo.

{banner}

Esta é uma situação muito particular e espero que este artigo o ajude a encarar a mesma de outra forma no futuro.

Quando se discute o jogar contra a SB, existem duas situações distintas. A primeira que vamos discutir é a situação em que a SB faz limp e depois discutiremos como reagir a um raise da SB.

Limp da Small Blind

Entrar em limp num pote é sempre sinal de fraqueza, a menos que tenhamos uma boa read do adversário. Então, até ver-mos o nosso adversário fazer limp com um monstro, assumiremos que ele tem uma mão fraca. Portanto podemos dizer que o jogador na SB, sobre o qual temos posição, está a jogar uma mão marginal do tipo {k-Diamonds}{7-Diamonds} ou {8-Clubs}{9-Hearts}. Em situações destas nem interessa que tipo de mão temos, a nossa força baseia-se na fraqueza do adversário, e nem precisamos de ter um range para fazer raise, raisamos quaisquer duas cartas.

No geral a melhor opção será fazer um raise para 5 BB's, se a sua stack for muito grande poderá considerar fazer uma raise de 6-8 BB's. Existe uma razão para fazer este raise relativamente grande. Se estamos a pôr o nosso adversário numa mão fraca, temos que lhe meter pressão. Se ele foldar pré-flop, perfeito, pois estaremos a raisar com quaisquer duas na maior parte das vezes. Se ele der call, o pote já está grande devido ao raise pré-flop e isso reduz as hipóteses de ele nos tentar bluffar ou ir atrás de draws, o que joga a nosso favor.

A estratégia pós-flop é muito simples. Sempre que ele checkar o flop disparamos uma cbet, se ele decidir apostar primeiro, teremos de olhar para a nossa mão e ver a textura da board, falaremos disto mais tarde.

Portanto, fazemos raise de todas as mãos pré-flop e disparamos cbet em todos os flops. Se depois disto o adversário ainda continuar na mão teremos de ter em consideração outro tipo de coisas, que discutiremos mais à frente.

Raise da Small Blind

Sempre que a SB decidir raisar em vez de fazer limp teremos de considerar outros factores. Veremos agora em pormenor esses factores:

Stats da SB

Se sabemos que o jogador na SB nunca faz raise pré-flop e é no geral um jogador tight, é preciso analisar bem a situação. Devemos olhar para a nossa mão e ver se é rentável jogar, talvez para set value, ou se a sua stack for maior, suited connectors. Contudo, se sabemos que o jogador costumar raisar muito pré-flop, devemos ter isso em consideração. Sabemos que muitas vezes faz raise com mãos marginais e que vai falhar o flop grande parte das vezes, o que fará com que folde ou que faça cbet. Nesta situação não devemos ter medo de fazer call ao seu raise, desde que o façamos com uma mão decente. Dar um range de mãos para o call é complicado nesta situação, mas {9-Hearts}{10-Spades} ou {q-Clubs}{7-Clubs} são mãos jogáveis. Depois do call pré-flop atingimos o próximo factor.

Textura da Board

É claro que não podemos disparar uma cbet em todos os flops sem olhar para as cartas na mesa. A melhor textura que uma board pode ter numa situação destas é a chamada "dry texture" ou seja, um flop que não permite muitos ou mesmo nenhuns draws, por exemplo {k-Clubs}{7-Hearts}{2-Spades}. Esta board ajuda-nos visto que queremos que o nosso adversário folde à nossa aposta no flop. Se ele não nos dá call apenas quando tem boa mão, mas também quando tem draws, ganharemos menos dinheiro nestas situações e seremos called mais vezes.

Se estivermos numa situação em que temos {7-Clubs}{8-Spades} e o nosso adversário sai a apostar num flop {a-Spades}{k-Spades}{j-Hearts} não temos outro remédio senão foldar. Olhe bem para a board e pense nas consequências de fazer um movimento com a sua mão. Se quiser bluffar numa board com muitos draws, terá seguramente de continuar a bluffar até ao river para fazer com que o adversário folde a sua mão/draws. Isto vai acabar por lhe custar muito mais dinheiro do que se você apostasse no flop e o seu adversário foldasse de imediato.

Variância

Estar muitas vezes envolvido em guerras de blinds resultará em grandes swings, não só nestas situações como no seu jogo no geral. É necessário ter em mente que este tipo de jogadas também vai afectar a nossa imagem na mesa. Falaremos sobre isto mais à frente. Existirão sempre situações em que o seu adversário vai tentar fazer com que você pense que ele é fraco e que o pode bluffar, quando na realidade tem nas mãos o famoso "nuts". Estas jogadas farão com que os adversários o respeitem menos e passem a dar mais vezes call aos seus raises, o que resultará num aumento da variância.

Contudo estas situações não devem afectar o seu jogo. No long run este tipo de jogadas será bem mais lucrativo do que o típico jogo de premium hands. Se uma má imagem na mesa pode ter aspectos negativos, terá também outros positivos, por exemplo: as suas value bets serão mais vezes called do que numa mesa onde toda gente acredite em si.

Capacidade de Leitura dos Adversários

Este pode ser um factor menos importante, ainda assim merece ser mencionado. A chamada "linha dos seus adversários", em especial em low stakes, dir-lhe-á bastante sobre a força de um jogador. Quase que não existem jogadores em micro- low stakes que usem a mesma linha a bluffar como a usam quando têm uma boa mão. O tamanho das apostas também lhe dirá bastante sobre a força das suas mãos, um movimento check/raise do tamanho do pote no flop pode ser sinal de monstro ou de uma última tentativa desesperada de levar o pote com ar nas mãos. No geral os jogadores deste nível não fazem estes movimentos com ar tantas vezes como o fazem com monstros.

Daí que se você conseguir ter uma read sobre determinado jogador e souber que linha e que tamanho de apostas representam fraqueza ou força, esta luta de blinds tornar-se-á muito mais fácil de jogar. Preste muita atenção a isto, em especial ao tamanho das apostas, é muitas vezes ignorado mas é uma das maneiras mais fáceis de obter informação dos adversários.

Imagem

Deve ter sempre em mente a sua imagem na mesa. Se acabou de ser apanhado a bluffar um pote, os outros jogadores vão registar isso e farão call às suas apostas mais vezes. Deve minimizar os bluffs até a sua imagem se recompor. Por outro lado, uma imagem tight vai permitir que roube mais potes, daí ser muito importante que saiba sempre o que os outros jogadores pensam de si e ajustar-se a isso.

Em suma, podemos dizer que embora estas situações sejam muitas vezes evitadas pelos jogadores, esta é uma boa forma de ganhar umas fichas. Tal como tudo no poker, a prática é a base para que possa melhorar, se conseguir aguentar as swings inerentes a este tipo de jogo de certeza que no futuro vai ver que a recompensa é bastante interessante. Visto que muitos jogadores evitam estas situações, verá que será mais respeitado do que pensaria adoptando este estilo agressivo.

Boa sorte nas mesas!

Nota Ed: Faça já o download da PokerStars e recebe um bónus de 100% até $50 de primeiro depósito ao fazer o download pelos nossos links.

Mais notícias

O que pensas?